O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas pode entrar em um acordo ainda nesta semana sobre uma resolução que levará a Síria a entregar seu arsenal de armas químicas, disse o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov. Contudo, a autoridade afirmou que o documento não deve conter uma ameaça de uso de força.

“Nós não estamos falando sobre aprovar uma resolução no Conselho de Segurança da ONU que menciona o Capítulo 7, nem sobre o uso automático de sanções ou força”, disse o vice-ministro ao Parlamento da Rússia, segundo a agência de notícias RIA Novosti. “O Capítulo 7 pode ser mencionado apenas como um elemento das medidas contra os violadores… se houver uma recusa em cooperar, em realizar obrigações ou se alguém, não importa quem, usar armas químicas”.

O Capítulo 7 da Carta da ONU permite o uso de força ou sanções mais duras. A Rússia criticou os EUA por tentar forçar a aprovação de uma resolução mais dura contra a Síria. O documento, caso seguisse as instruções dos EUA, permitiria o uso da força nos termos do Capítulo 7 se a Síria não cumprisse um acordo feito pela Rússia e pelos EUA no início deste mês para entregar suas armas químicas.

Ryabkov disse que as negociações entre Rússia e EUA sobre a Síria não estão indo de maneira tranquila. A Rússia criticou as ameaças de ação militar contra o presidente sírio, Bashar Assad, feitas pelos EUA em resposta ao suposto uso de armas químicas no mês passado.

“A ameaça de agressão, em violação ao direito internacional, só foi adiada, mas não totalmente removida”, disse Ryabkov.

Ryabkov expressou satisfação sobre a volta à Damasco dos especialistas em armas químicas da ONU “amanhã, 25 de setembro”, segundo a agência de notícias Interfax, citando comentários no Parlamento. Eles devem investigar um ataque com armas químicas ocorrido em agosto nos arredores da capital. Fonte: Dow Jones Newswires.