Os restos mortais de Nelson Mandela foram transferidos para uma base área após cerimônia de despedida promovida pelo partido Congresso Nacional Africano no início deste sábado, antes de serem transportados para o vilarejo onde Madiba nasceu para o enterro no domingo.

Os militares entregaram o caixão de Mandela ao CNA, partido formado a partir do movimento de libertação que Mandela liderou, em uma cerimônia solene na base aérea de Waterkloof, em Pretória, que foi transmitida ao vivo por redes de televisão sul-africanas. A atividade incluiu uma celebração com ritos de várias religiões e um tributo musical a Mandela.

Enquanto isso, no aeroporto próximo ao vilarejo de Qunu, onde Mandela nasceu, no leste da África do Sul, havia um burburinho de atividade, com veículos militares circundando o local em meio à expectativa sobre a chegada do corpo.

O funeral começará às 6h de domingo (horário local) e o enterro ocorrerá às 8h, informou o governo sul-africano neste sábado.

Em Waterkloof, o presidente sul-africano Jacob Zuma elogiou Mandela em um relato detalhado da luta contra o domínio racista branco. Ele disse que Mandela tinha a rara capacidade de colocar a teoria em prática. Também descreveu a chegada de Mandela a Johannesburgo vindo do interior do país quando jovem, trazendo disciplina e visão para o movimento antiapartheid.

Zuma liderou o grupo em uma música após o discurso. A cerimônia de despedida contou com a presença do ex-presidente Thabo Mbeki, da viúva, Graça Machel, e da ex-esposa Winnie Madikizela-Mandela, como bem como do presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta. Outros membros da família de Mandela também compareceram. O poema favorito de Mandela, “Invictus”, foi impresso na parte de trás do programa da cerimônia.

Os restos mortais do líder sul-africano foram devolvidos para controle militar ainda no sábado pela manhã. O corpo será levado para o Cabo Oriental em preparação para o funeral de Mandela no dia seguinte. O caixão de Mandela deve chegar em Mthatha, no Cabo Oriental, na tarde de sábado e ser recebido com uma cerimônia militar completa.

Rituais também serão realizados durante a passagem de uma carreata que levará o caixão de Mthatha até o vilarejo de Qunu, onde Mandela será enterrado. O público foi convidado a ver o cortejo a caminho de Qunu. O corpo será levado para a fazenda da família Mandela, onde ocorrerão outros rituais.

Uma vigília noturna do CNA está prevista na Walter Sisulu University, em Mthatha, no sábado, com líderes partidários e representantes do governo honrando Mandela na véspera de seu sepultamento.

O governo sul-africano disse que iria restringir a entrada no funeral na casa de Mandela em Qunu aos 4.500 convidados, incluindo o presidente Jacob Zuma e dignitários estrangeiros, como vários presidentes africanos e o príncipe Charles. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.