A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) está considerando nomear um alto funcionário para supervisionar os esforços contra o terrorismo, um movimento voltado para atender a uma das exigências do presidente dos EUA, Donald Trump, de que a aliança se concentre mais em ameaças terroristas.

A proposta é similar à recente decisão da Otan de criar um posto de inteligência superior, uma ação que Trump elogiou repetidamente e que citou como evidência de que a aliança respondeu às suas críticas e não é mais obsoleta.

Enquanto nenhum país da Otan se opor verbalmente à ideia de um coordenador sênior de contraterrorismo, alguns diplomatas são céticos sobre o impacto do papel a menos que os membros da aliança também concordem em expandir os esforços de contra o terrorismo da organização, incluindo o financiamento de iniciativas de treinamento adicionais.

Diplomatas da Otan estão discutindo como podem expandir o treinamento antiterrorista, incluindo maneiras de usar forças de operações especiais aliadas para melhor treinar comandantes antiterroristas no Oriente Médio e na África. Essas propostas poderiam incluir a ampliação do trabalho ou do mandato da Sede das Operações Especiais da Otan, que desenvolve planos de antiterrorismo da Otan.

Nenhum membro da Otan, incluindo os Estados Unidos, defendeu a aliança de realizar ataques contra o terrorismo, assumindo um papel de ataque direto na luta militar contra o Estado islâmico na Síria, na Líbia ou no Afeganistão.

Mas expandir o uso da aliança de seus recursos escassos, como as forças de operações especiais, é difícil e pode pesar sobre o orçamento da Otan, que alguns países se opõem à expansão.

Os embaixadores aliados estão preparados para discutir formalmente o posto de contraterrorismo e outras propostas em uma reunião marcada para o dia 5 de maio, disseram autoridades. Diplomatas têm debatido várias propostas à medida que se preparam para a reunião de líderes aliados, incluindo Trump, ainda este mês. Fonte: Dow Jones Newswires.