O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, rejeitou com veemência a interpretação de que Washington teria dado a Israel sinal verde para atacar instalações nucleares iranianas. “Nós não podemos ditar aos outros países quais são suas prioridades em segurança. Mas também é verdade que a política dos EUA é a busca por uma solução diplomática (com relação ao programa nuclear iraniano).” Obama foi questionado sobre o assunto em entrevista concedida à emissora de televisão “CNN” durante sua estada em Moscou.

No fim de semana, com base no mesmo argumento de Obama, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, deu a entender que o governo norte-americano não interferiria caso Israel decidisse fazer uso da força militar para eliminar uma suposta ameaça nuclear do Irã. A declaração, feita à rede de televisão “ABC”, foi interpretada por alguns setores como um sinal verde do governo dos EUA.

Israel considera o Irã como seu adversário mais perigoso. O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad – que no dia 12 conquistou uma disputada reeleição, com a oposição reclamando de fraudes generalizadas – defende que Israel seja “varrido do mapa do Oriente Médio”.

Os EUA e Israel acusam o Irã de desenvolver em segredo um programa nuclear bélico. O governo iraniano nega, assegura que suas usinas atômicas têm fins estritamente pacíficos de geração de energia elétrica e já declarou em diversas ocasiões que não pretende interromper suas atividades nucleares.

Responsável por acompanhar a obediência às regras do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) por parte dos signatários do acordo, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), braço da Organização das Nações Unidas (ONU), considera o programa nuclear civil do Irã dentro da legalidade. Com informações da Dow Jones.

Quirguistão

O presidente do Quirguistão, Kurmanbek Bakiyev, sancionou hoje o acordo por meio do qual o Exército dos EUA continua autorizado a utilizar a base aérea de Manas para enviar suprimentos a seus soldados no Afeganistão. Por meio de nota, a assessoria de imprensa de Bakiyev informou que o presidente sancionou o acordo aprovado na semana passada pelo Parlamento e que o documento entra em vigor imediatamente.

A base aérea quirguiz é fundamental para que os EUA enviem suprimentos a seus soldados em um momento no qual outra importante rota de abastecimento, pelo Paquistão, é alvo constante de ações da milícia fundamentalista islâmica Taleban.