O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, exaltou as ideias, os ideais e a coragem do senador Edward Kennedy diante de sua doença. Ted Kennedy morreu na noite desta terça-feira (horário local) de câncer. Em declaração feita em Oak Bluffs, Massachusetts, onde está passando as férias, Obama disse que o ícone liberal foi um dos maiores senadores do período moderno e “um dos mais talentosos norte-americanos a servir nossa democracia”. Em um comunicado distribuído mais cedo, Obama afirmou que o falecimento do ícone liberal encerrou um capítulo épico da vida política norte-americana.

“Sua vida extraordinária na Terra chegou ao fim, mas o extraordinário bem que ele fez sobrevive. Michelle e eu ficamos com o coração partido ao saber da morte de nosso querido amigo, o senador Ted Kennedy”, disse Obama no comunicado. “Um importante capítulo da nossa história chegou ao fim. Nosso país perdeu um grande líder, que pegou a tocha de seus irmãos mortos e se tornou o maior senador dos Estados Unidos do nosso tempo”, prosseguiu.

Kennedy morreu aos 77 anos depois de lutar contra um câncer no cérebro. A morte do senador rompe a última ligação com a célebre dinastia de seus irmãos assassinados, o ex-presidente dos EUA John F. Kennedy e o candidato presidencial e ex-senador e ministro Robert Kennedy. “Durante cinco décadas, praticamente todos as grandes projetos de legislação dedicados ao avanço dos direitos humanos, da saúde e do bem estar econômico do povo norte-americano carregavam seu nome e resultaram de seus esforços”, afirmou Obama.

Kennedy faleceu no momento em que suas habilidades como negociador no Senado eram muito necessárias, já que Obama se esforça para pôr em prática um ambicioso plano de reforma do sistema de saúde – uma questão pela qual Kennedy lutou durante décadas.

Corrida presidencial

“Eu lembro com prazer de sua confiança e seu significativo apoio na minha corrida pela presidência”, acrescentou Obama, observando que Kennedy rompeu com seus antigos aliados Hillary e Bill Clinton para endossar sua candidatura à Casa Branca. Naquele momento, o apoio de Kennedy foi visto como uma importante validação da candidatura de Obama e como a transferência da tocha do irmão de lendas políticas assassinadas para um jovem e carismático liberal. As informações são da Dow Jones.