A Itália rejeita apoiar uma eventual declaração de independência por parte das autoridades palestinas e insiste que o reconhecimento do novo Estado exigiria uma declaração do Hamas de que aceita e respeita a existência de Israel. O anúncio foi feito ontem pelo primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, em uma reunião em Roma com o premiê israelense, Binyamin Netanyahu. Israel lidera uma campanha mundial para conter o apoio a um eventual reconhecimento unilateral da independência dos palestinos durante a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em setembro.

A Itália é a primeira entre as principais potências do G-8 a negar categoricamente a possibilidade de uma independência palestina, o que foi celebrado pela diplomacia israelense como uma vitória. “Não pensamos que uma solução unilateral possa ajudar a fazer avançar a paz, nem pelos palestinos nem pelos israelenses”, disse Berlusconi. Para ele, o “objetivo principal” é conseguir antes que o Hamas reconheça a existência de Israel.

Berlusconi já teria dado seu recado ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, insistindo que não apoiará a declaração durante a Assembleia-Geral da ONU. “A forma de fazer avançar o processo de paz é via negociação”, disse. Berlusconi também ofereceu a Sicília como sede de uma cúpula de paz entre israelenses e palestinos para tentar relançar a negociação. “Não há melhor amigo de Israel que Berlusconi”, disse Netanyahu, insistindo que a posição de Roma deve servir de “modelo”. Para ele, um voto na ONU reconhecendo os palestinos afetaria o processo de paz. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.