O líder do movimento palestino Hamas no exílio, Khaled Meshal, disse que as negociações de paz diretas entre Israel e a Autoridade Palestina, que ocorrerão no começo de setembro sob os auspícios dos Estados Unidos, são “ilegítimas”.

Meshal disse hoje na capital da Síria que as reuniões de 2 de setembro ocorrerão num clima de “coerção”, a partir de uma “ordem convocatória dos EUA”. As negociações entre Israel e os palestinos foram interrompidas há dois anos, mas a administração do presidente dos EUA, Barack Obama, espera avalizar um acordo em um ano.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, negociará com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que possui o controle apenas da Cisjordânia. A Faixa de Gaza é governada pelo movimento Hamas, que recusa-se a reconhecer o Estado de Israel.