O Reino Unido anunciou hoje que fechou acordos com indústrias farmacêuticas para assegurar o fornecimento de até 90 milhões de doses de vacina contra a gripe suína. Os contratos foram acertados entre o ministro de Saúde britânico, Alan Johnson, e as empresas GlaxoSmithKline e Baxter. Segundo o governo, a produção começará “tão logo possível”, com o objetivo de obter vacinas suficientes para proteger a população mais vulnerável antes da chegada de uma possível pandemia. O Reino Unido possui cerca de 60 milhões de habitantes. “Os cientistas nos dizem que ainda não sabemos o suficiente sobre essa nova cepa, ou se ela sofrerá mutação, mas esse vírus tem o potencial de se tornar uma pandemia e não podemos prever o quão sério será”, disse o ministro de Saúde.

O país já tinha acordos que garantiam a produção de vacinas em caso de a Organização Mundial de Saúde (OMS) elevar a doença para o nível máximo, 6. Mas agora Johnson diz que “existe uma oportunidade de assegurar a vacina antes de uma onda de pandemia”. Conforme o governo, o contrato adicional anunciado hoje permite que até dezembro pelo menos metade da população esteja protegida com a vacina contra o vírus H1N1.

O Reino Unido é o segundo país mais atingido da Europa pela gripe, com 78 casos, atrás somente da Espanha, com 100 ocorrências. A Europa conta com 231 casos da doença, conforme levantamento de hoje do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês), em 16 países. Nos últimos dias, a gripe passou a atingir também a Bélgica e a Polônia.