A libertação planejada para esta quinta-feira de dois policiais detidos por rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), na Colômbia, foi adiada, de acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

“A libertação, que era para ter ocorrido hoje, não vai acontecer”, disse o presidente do CICV Peter Maurer, a jornalistas em Bogotá. “Esperamos que isso possa ocorrer na primeira oportunidade possível e que possa resolver todas as questões não solucionadas”.

O CICV, junto com outro grupo não-governamental, o Colombianos pela Paz, foram mais cedo para um local desconhecido para resgatar os policiais presos, Cristian Camilo Yate e Victor Gonzalez.

A ex-senadora e líder do grupo Colombianos pela Paz, Piedad Cordoba, culpou o enxames de jornalistas pelo atraso. Ela alega que os jornalistas invadiram a região onde a entrega deveria ter ocorrido. “A presença de jornalistas na área criou um obstáculo, bloqueando esta missão humanitária”, disse Córdoba via Twitter.

Ela escreveu que uma nova tentativa para libertar os homens pode acontecer no sábado – dia estabelecido para a entrega de um soldado colombiano capturado pelos rebeldes em um confronto separado.

O Exército suspendeu as operações militares na região onde a entrega deveria ter acontecido.

As negociações entre o governo de Bogotá e os rebeldes colombianos começaram no dia 19 de novembro em Cuba e agora estão em recesso. Eles pretendem acabar com a mais longa insurgência da América Latina em curso, que atua há meio século. As informações são da Dow Jones.