Os Estados Unidos decidiram retirar a maior parte de seus diplomatas e funcionários da embaixada americana em Cuba, depois que ataques com armas supersônicas atingiram 21 pessoas no local. Todas as vítimas perderam audição ou relataram náusea e perda de equilíbrio. O governo de Havana nega envolvimento e diz estar colaborando com as investigações.

A concessão de vistos será suspensa e os serviços diplomáticos serão restritos a casos emergenciais. OS EUA também passaram a orientar seus cidadãos a evitarem viajar para a ilha. Os ataques começaram no fim de 2016 e não há clareza ainda de quem é responsável por eles.