Investigadores encontraram DNA feminino em pelo menos uma das bombas utilizadas nos ataques durante a Maratona de Boston, apesar de ainda não terem determinado de quem é o DNA ou se isso significa que uma mulher ajudou os dois suspeitos no ataque, segundo autoridades.

As fontes alertaram que podem haver diversas explicações para o por quê de o DNA de outra pessoa que não os dois suspeitos – Tamerlan Tsarnaev e seu irmão mais novo, Dzhokhar – ter sido encontrado nos destroços das bombas. O material genético pode ter vindo, por exemplo, de uma lojista que mexeu nos materiais usados nas bombas ou de um fio de cabelo que acabou caindo no local.

Nesta segunda-feira, agentes do FBI, a polícia federal norte-americana, deixaram a casa dos pais de Katherine Russel, a viúva de Tamerlan Tsarnaev, no Estado de Rhode Island. O irmão mais velho morreu após um tiroteio com a polícia quatro dias após o atentado do dia 15 de abril.

Katherine tem ficado com seus pais desde o ataque e agentes do FBI têm monitorado a casa desde que seu marido foi identificado como um dos possíveis responsáveis. Seu advogado afirmou que ela “está fazendo tudo que pode para ajudar com a investigação”.

Uma autoridade próxima ao assunto disse que os agentes do FBI foram até a casa nesta segunda-feira para coletar uma amostra do DNA de Katherine. Eles também têm negociado com o advogado da viúva para tentar ter mais acesso para interrogá-la. O DNA de Katherine será analisado para determinar se ele é compatível com o encontrado nas bombas.

Katherine é uma das pessoas sendo investigadas pelas autoridades para descobrir se os irmãos tiveram alguma ajuda para organizar o ataque ou para se esconderem depois das explosões, segundo fontes. As informações são da Dow Jones.