Cuba rejeitou formalmente hoje a oferta de reingressar na Organização dos Estados Americanos (OEA), ecoando a percepção de Fidel Castro de que seu país não é de nenhuma utilidade para a entidade. Na semana passada, a OEA votou pelo fim da suspensão da filiação de Cuba, imposta em 1962, ano em que o país declarou o caráter socialista da revolução de 1959. Com a rejeição de Cuba, permanecem 34 governos com participação efetiva na entidade.

Declaração publicada hoje no Granma, jornal oficial do Partido Comunista cubano, diz que o governo do país está satisfeito “com esta expressão de soberania e comunidade”, mas repete que “Cuba não retornará à OEA”. A mensagem observa que a OEA apoiou ao longo das últimas décadas a hostilidade dos Estados Unidos com relação a Cuba e afirma que o país prefere manter sua independência. O fim da suspensão da filiação cubana contou com o apoio de Washington.