Tropas sírias avançaram pela maior cidade controlada pelos rebeldes junto a fronteira com o Líbano em meio a armamento pesado em aviões, artilharia e tanques enquanto o conflito sangrento no país completa três anos neste sábado. Nestes anos, ativistas acreditam que tenham sido mortos 140 mil pessoas enquanto outras 2 mil fugiram.

Iniciados em meio aos protestos da Primavera Árabe, os movimentos na região se transformaram em insurgência armada e, mais tarde, numa guerra civil. O principal grupo de oposição apoiado pelo Ocidente, a Coalizão Nacional Síria, divulgou um comunicado sobre os três anos de conflito no qual pede o fim do regime do presidente Bashar Assad, o qual foi definido como “a principal fonte de sofrimento do povo sírio”. A imprensa estatal na Síria não mencionou o aniversário dos confrontos.

Neste sábado, a televisão estatal síria disse que tropas avançaram na cidade de Yabroud, próximo da fronteira com o Líbano, e que agora o regime controla a maior parte da área entre os dois países.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, baseado no Reino Unido, disse que as forças aéreas sírias conduziram ao menos 15 ataques aéreos na cidade enquanto confrontos ocorriam nas ruas. A entidade não deu uma opinião sobre o ocorrido, apenas afirmou que as forças do governo sírio receberam apoio do Hezbollah.

Yabroud é a última grande cidade controlada por rebeldes nas montanhas da região de Qalamoun, onde forças de Assad vem conduzindo uma ofensiva por meses para tentar cortar o abastecimento dos rebeldes pela fronteira. Oficiais do Hezbollah dizem que muitos dos carros bomba que explodiram no Líbano nos úlrimos meses eram feitos em Yabroud. O Hezbollah se juntou abertamente à guerra civil no ano passado, lutando junto com forças de Assad de pendendo a batalha a favor do regime nas áreas próximas do Líbano.

Um ativista oposicionista na área que atende pelo nome de Amer al-Qalamouni negou que as tropas de Assad tenham avançado por Yaboud, dizendo que, em vez disso, foram atacadas partes ao sudeste da cidade. Fonte: Associated Press.