Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está insatisfeito com a lentidão nos projetos de Parceira Público-Privada (PPP), segundo relato do presidente da Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústria de Base (Abdib), Paulo Godoy, que se reuniu por cerca de duas horas com Lula. "O presidente reforçou que o mecanismo de PPP pode ser útil nos projetos de infra -estrutura. Demonstrou insatisfação pelo fato de que as PPPs não se confirmaram em termos de projetos com a velocidade que ele esperava", afirmou Godoy.

Para resolver o problema, segundo Godoy, Lula pretende criar força-tarefa para agilizar os projetos de PPPs. Godoy considera que as parcerias podem ajudar na construção ou recuperação de estradas.

Apresentado em 2003, primeiro ano do governo Lula, o projeto de PPPs foi aprovado no Congresso Nacional em 2004. Mas a primeira parceria foi sair do papel em setembro do ano passado, com o edital para recuperar trechos das rodovias BR 116 e 324, na Bahia.

A primeira experiência de PPP foi feita pelo primeiro-ministro John Major, do Partido Conservador, na Inglaterra de 1992, após as privatizações promovidas por Margareth Tacher. Apoiado pelo Banco Mundial, o modelo foi copiado em outros países, como Estados Unidos, onde há sete rodovias feitas por Parceria Público Privada.

Na Austrália, a Comissão de Planejamento Econômico do governo a fazer um relatório apontando falhas na qualidade das obras feitas por as PPP. Segundo o relatório, a qualidade dos serviços prestados por empresas privadas, no sistema de PPP, é pior que no sistema de licitação para obras. Uma das obras polêmicas da Austrália, a rodovia que dá acesso ao aeroporto de Sidney, acabou sendo comprada pelo governo, por falhas no funcionamento.