Os reajustes nos preços dos remédios, das tarifas de energia elétrica, das roupas e também do leite pasteurizado provocaram a alta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), no mês de maio. A variação foi de 0,54%, mais que o dobro do resultado de abril (0,21%). O índice, que é uma prévia do IPCA que mede a inflação oficial do país, acumula no ano alta de 2,76% e nos últimos 12 meses de 5,01%.

Os dados foram divulgados há pouco pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acrescentando que os remédios ficaram, em média, 4,26% mais caros, acumulando no ano alta de 6,25%. O item causou o maior impacto individual no mês, tendo na alta de maio o reflexo do reajuste médio de 5,7% autorizado pelo governo, em 31 de março.

No item energia elétrica, o resultado de 1,88% concentrou reajustes ocorridos nas tarifas de seis das 11 áreas pesquisadas, sendo que a maior variação, de 9,46%, foi registrada em Belo Horizonte, e a menor, de 0,21%, em Goiânia. A alta de 1,47% nos artigos de vestuário refletiu os aumentos comuns neste período do ano, quando a coleção outono-inverno entra no mercado.

Os alimentos diminuíram o ritmo de queda (-0,17%, em abril, e -0,10%, em maio) por conta das altas expressivas de produtos importantes no consumo das famílias, como o leite pasteurizado (3,77%), que atravessa período de menor oferta, e a batata-inglesa (19,70%).

A gasolina também caiu menos (-2,07%, em abril, e -0,31%, em maio), enquanto os preços do álcool, depois da forte queda em abril (-12,11%), ficaram 1,20% mais caros em maio.

Entre as regiões, o IPCA-15 foi maior em Curitiba (1,39%), por causa do aumento de 10,47% nas tarifas de ônibus urbanos. Os menores índices foram registrados em São Paulo (0,24%) e Belém (0,23%). No Rio, o índice foi de 0,37%.