A greve dos trabalhadores nos Correios do Paraná, decidida em assembléia ontem à noite, conta com a adesão de 80% dos 5.400 trabalhadores do estado. A avaliação é do secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios (Sintcom-PR), Nilson Rodrigues. Todos os serviços de correios estão parados. Desde a madrugada, os grevistas estão acampados em frente à sede dos Correios, na capital.

Segundo o sindicalista, os grevistas estão informando a população que a responsabilidade pela paralisação não é dos funcionários, que buscam melhores condições. "Um carteiro recebe hoje R$ 448,00. O que buscamos é a elevação desse piso para R$ 932,00", disse. A categoria reivindica 47,17% de reajuste salarial e, segundo Nilson Rodrigues, o que desencadeou a greve foi a contra-proposta da empresa de um reajuste de 8% até o mês de dezembro e mais 3,6% em janeiro, totalizando 11,6%.

O secretário informou que integrantes do movimento estão indo às agências onde é feita a postagem para impedir que qualquer correspondência seja recebida pelos correios.

A diretoria regional da empresa ainda não se manifestou a respeito da greve, mas segundo Nilson Rodrigues a empresa estaria desviando as cargas para um quartel do Exército em Curitiba para providenciar a distribuição por mão-de-obra temporária. Segundo ele, se isso for comprovado, o sindicato vai entrar com denúncia no Ministério Público, por considerar uma arbitrariedade.