O diretor substituto de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA), José Vicente Vieira, admitiu nesta terça-feira (28), durante a Conferência das Partes da Convenção da Biodiversidade (COP8), que o Paraná saiu à frente do Governo Federal e dos demais Estados brasileiros que abrigam cidades portuárias, ao implantar, no Porto de Paranaguá, o Centro de Excelência de Defesa Ambiental, o Ceda?Taguaré.

O programa paranaense é voltado à prevenção de acidentes ambientais e educação ambiental das comunidades locais. O Governo Federal lança no próximo dia 03 de abril, o seu Programa Nacional de Educação Ambiental Portuária, em moldes parecidos com os do Ceda, implantado em agosto do ano passado.

?O projeto do Paraná já apresenta diversos pontos comuns com a proposta que o Ministério do Meio Ambiente vai incentivar com o lançamento do Programa Nacional de Educação Ambiental Portuária (PNEAP)?, disse José Vicente. Segundo ele, o Porto de Paranaguá, como o programa do Governo Federal, incluiu, além da educação ambiental, projetos de alcance social, como o combate à prostituição infantil, e que contam com o envolvimento das comunidades locais. ?A proposta central do Ministério é exatamente esta. Talvez com pequenas diferenças que podem ser acertadas?, afirmou Vieira.

O PNEAP será uma referência que permitirá a cada uma das unidades portuárias do país desenvolver programas de educação ambiental para o seu público interno e as comunidades do seu entorno, de acordo com as peculiaridades de suas regiões. O lançamento do programa foi anunciado pelo Ministério do Meio Ambiente durante a COP8. O plano será apresentado no seminário Gestão e Educação Ambiental Portuária, um dos eventos integrados do V Congresso Ibero-Americano de Educação Ambiental, que acontecerá em Itajaí no começo de abril.

Ceda

Resultado de uma parceria entre a Appa (Administração dos Portos de Antonina e Paranaguá) e a Petrobrás, o Ceda ? Taguaré foi inaugurado em agosto de 2005. Está localizado ao lado da sede administrativa da Appa e a 200 metros do cais comercial.

?O Centro de Excelência em Defesa Ambiental Taguaré (Ceda-Taguaré) reflete mais uma vez a preocupação do Porto com a qualidade e a preservação de uma imagem segura conquistada no mercado internacional. Cumprimos as exigências feitas pelos organismos de meio ambiente e pelo comércio exterior?, ressaltou o superintendente da Appa, Eduardo Requião.

A proposta do Centro é prevenir e combater acidentes ambientais, desenvolver pesquisas de procedimentos ambientais, bem como garantir as relações entre o porto e a comunidade, através de treinamentos, ações sociais, divulgação e educação ambiental permanente.

?Nosso objetivo é incentivar a educação ambiental em todo o Litoral, nas cidades e nas ilhas da região. Queremos fazer deste Litoral uma região que respeita o meio ambiente, sem impedir o crescimento econômico. Com essa parceira com a Petrobras conseguimos apresentar o Ceda-Taguaré e o Porto de Paranaguá como um exemplo para o Brasil?, finalizou o superintendente da APPA.

Investimento

Foram investidos cerca de R$ 5 milhões no centro, que possui veículos e equipamentos destinados à prevenção e controle de acidentes, como barcos especiais, bóias para barreiras de contenção, mangueiras, bombas de sucção e tanques de recepção.

De acordo com o coordenador de Segurança, Meio Ambiente e Saúde da Transpetro – subsidiária da Petrobras, Mário César Timmermann, foi a primeira vez que a Petrobras firmou convênio na área ambiental com um porto brasileiro.

O Ceda-Taguaré atua em toda a área geográfica do porto, que inclui Paranaguá, Pontal do Paraná, Antonina e a baía de Guaraqueçaba. Profissionais de várias especialidades atuam no Centro, entre eles, operadores de equipamentos, engenheiros ambientais, técnicos de navegação, engenheiros de segurança, biólogos e um engenheiro naval.