A Venezuela fechou 2010 com inflação de 27,2%, acima da taxa de 25,1% de 2009, segundo estatísticas divulgadas pelo Banco Central. Em dezembro, o índice de preços ao consumidor subiu 1,8%, mais do que a alta de 1,5% de novembro passado e de 1,7% em dezembro de 2009. As estatísticas anuais finais ficaram acima dos dados preliminares divulgados pelo Banco Central na semana passada, quando a taxa acumulada no ano passado havia sido estimada em 26,9%.

A inflação venezuelana está entre as mais altas das 42 maiores economias emergentes do mundo, segundo estudo da Universidade Central da Venezuela divulgado no mês passado. A Venezuela é um dos apenas cinco países que apresentam inflação de dois dígitos, diz o relatório. Os demais são Paquistão, Egito, Índia e Argentina. O estudo, no entanto, estimou a inflação da Venezuela em 2010 em 28%, levemente acima da taxa oficial.

Analistas acreditam que os preços ao consumidor na Venezuela vão subir entre 23% e 30% em 2011, enquanto a economia digere a segunda desvalorização da moeda em 12 meses. No dia 30 de dezembro passado, a Venezuela anunciou que unificaria sua taxa de câmbio, no equivalente a uma desvalorização. Desde o dia 1º de janeiro, a cotação unificada é de 4,3 bolívares por dólar. A cotação de 2,6 bolívares por dólar foi removida.

Em janeiro de 2010, o governo venezuelano também desvalorizou a moeda e criou as duas taxas. A de 2,6 bolívares valia para itens considerados de primeira necessidade. A outra era usada nos demais artigos. Até então, o câmbio era mantido fixo em 2,15 bolívares desde 2005. As informações são da Dow Jones.