O aumento de 11,8% nas vendas do comércio varejista nacional em janeiro ante igual mês do ano passado representou a maior variação para um mês de janeiro apurada na série histórica da pesquisa do IBGE, iniciada em 2001, segundo o técnico da coordenação de serviços e comércio do instituto, Reinaldo Pereira.

Ele explicou que houve um crescimento mais acelerado do comércio em janeiro e que esse aumento de ritmo deve estar relacionado às promoções de queima de estoque e liquidações do início do ano. "Além disso, a conjuntura econômica continua justificando esses números", acrescentou.

O resultado ante mês anterior também mostrou aceleração, com crescimento de 1,8% nas vendas em janeiro ante dezembro, variação bem maior do que apurada em dezembro ante novembro (0 4%). "O IBGE não faz previsões, mas os resultados mostram que a tendência do varejo é de crescimento", disse.

Pereira afirmou que o dado de média móvel trimestral, que mostra aumento de 1,3% nas vendas no trimestre encerrado em janeiro ante o terminado em dezembro, confirma essa tendência. "Não há nenhum fator que mude essa tendência de crescimento, por enquanto não vemos reflexo da crise dos Estados Unidos (no varejo), os dados do PIB mostram crescimento dentro da expectativa, a inflação que parecia acelerar está em patamar mais baixo, então as variáveis de conjuntura não são diferentes do observado em 2007", disse.

Ainda de acordo com Pereira, o crédito prossegue como uma variável muito importante para o varejo e, caso o Brasil venha a obter o grau de investimento, a perspectiva é de expansão ainda mais forte do crédito no País.