A Sadia pisa no acelerador para dobrar de tamanho em cinco anos. Na quinta, a empresa anunciou que pretende investir R$ 2 bilhões até o fim do ano que vem para cumprir a meta de se tornar um grupo com vendas de quase R$ 16 bilhões, o dobro do registrado no fim de 2006. "Dentro de cinco anos, a Sadia será uma empresa de produtos com maior valor agregado e maior presença no mercado internacional", afirmou o diretor-presidente da companhia, Gilberto Tomazoni.

Mais de um terço dos investimentos anunciados (R$ 720 milhões) serão voltados para a área de produtos industrializados, que têm como destino final o mercado interno. "Os investimentos incluem a construção de fábricas novas e ampliação das existentes", diz o executivo. Ele observa que nesse rol estão unidades que serão construídas, mas que ainda não foram anunciadas. Também não descarta aquisições.

Outro foco dos investimentos é a unidade de Lucas do Rio Verde, em Goiás, onde serão aplicados R$ 640 milhões na construção de unidades de abate de aves e suínos e uma fábrica de rações. A intenção da companhia é ampliar o abate de bovinos atual em Várzea Grande (MT) de mil cabeças para 6 mil cabeças por dia até o fim de 2009. Para isso, serão aplicados R$ 130 milhões.

Tomazoni diz que a Sadia tem investido nos últimos anos uma média de R$ 900 milhões a R$ 1 bilhão por ano, e admite uma maior agressividade a partir de agora. Os recursos para os investimentos virão de linhas de financiamento e do caixa da própria empresa.