A Justiça determinou nesta sexta-feira a prisão preventiva do empresário Wagner Canhedo Filho, investigado pelos crimes de fraude à execução, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa. A estimativa da Procuradoria da Fazenda Nacional (PFN) é que o empresário, que atua nos setores de hotelaria e de transportes no Distrito Federal, tenha cometido fraudes cujo prejuízo aos cofres públicos chega a R$ 875 milhões.

A prisão preventiva foi decretada para impedir a prática criminosa e garantir que os cofres públicos possam ser ressarcidos. Além da prisão, também foi solicitado que o empresário seja proibido de deixar o País. Os investigadores justificam que, diante do “robusto” poder econômico de Canhedo, há alto risco de fuga, o que poderia colocar em risco a aplicação da lei penal.