As contas de energia elétrica ficaram 13,45% mais baratas na passagem de janeiro para fevereiro, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O movimento refletiu parte da redução de 18% no valor das tarifas de energia em vigor desde 24 de janeiro, informou o instituto. Como resultado, o item deu a maior contribuição negativa para o IPCA-15 do mês, com um impacto de -0,45 ponto porcentual.

O peso da energia elétrica no indicador é de 3,32%. O movimento fez o grupo Habitação registrar deflação de 2,17% em fevereiro, apesar dos aumentos expressivos nos gastos com aluguel (2,26%) e condomínio (1,33%).

Educação

Já o movimento sazonal de aumento nas mensalidades escolares em fevereiro levou a uma alta de 5,49% nos gastos com Educação. O grupo ficou atrás apenas de Alimentação e Bebidas entre os principais impactos para a inflação do mês.

As despesas com Educação contribuíram com 0,24 ponto porcentual do índice (a contribuição de Alimentação e Bebidas foi de 0,42 ponto porcentual). O resultado reflete os reajustes do início do ano letivo, sobretudo nos cursos regulares. O item subiu 6,92%, o maior impacto individual no IPCA-15 do mês, o equivalente a 0,19 ponto porcentual. As mensalidades dos cursos diversos registraram aumento de 5,62%.