Foto: Cíciro Back 

Subestação de energia: crescimento tem sido gradativo.

Rio – A geração de energia elétrica em março cresceu 5,3% em relação a março de 2006, segundo estimativas preliminares divulgadas ontem pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), órgão que coordena a geração de energia elétrica no País. A média deste mês, pelos cálculos do ONS, ficou em 51.943 megawatts (MW) médios, o que é recorde absoluto na história do País.

 Foi o segundo mês seguido de quebra de recordes. No acumulado no trimestre, o aumento ficou em 9% sobre o primeiro trimestre de 2006, mas no intervalo de 12 meses (sobre igual período anterior) a variação está em 3,4%.

O ONS atribuiu o forte aumento na geração de energia elétrica neste mês principalmente à temperatura média deste ano, que ficou muito acima da registrada em igual período do ano passado. Com isso, o País tem registrado aumentos seguidos na demanda instantânea, ou seja, no horário de pico.

Na quarta-feira, por exemplo, a demanda instantânea no Sistema Interligado Nacional (SIN) atingiu 64.371 MW às 19h08, principalmente pelo aumento no consumo na região Sul. Foi o segundo dia seguido de quebra de recorde, já que na terça-feira o País registrou um pico de consumo de 63.490 MW.

O maior aumento em março foi na região Sudeste/Centro-Oeste, com variação de 6,5% sobre março de 2006. Como a região representa cerca de dois terços do consumo nacional, houve uma puxada para cima em todo o País.

No acumulado em 12 meses, o aumento na geração no Sudeste está em torno de 3%, conforme as estimativas do ONS. Também na região Sul, o consumo em março foi muito maior do que o observado em igual período do ano passado, com aumento de 4,2%. Já na região Norte, que sofre influência direta dos grandes consumidores industriais instalados no Pará, o aumento foi de 2,4% e na região Nordeste a variação foi de 2,6%, em relação a março de 2006.

Em valores absolutos, a geração de energia elétrica contabilizada pelo ONS ao longo deste mês, de 51.493 MW médios, está em torno de 2.597 MW médios acima da observada há 12 meses. Considerando-se a média mensal nos últimos 12 meses, porém, a variação acumulada até março está em 1.616 MW médios, praticamente no mesmo patamar dos meses anteriores.