As exportações de granéis sólidos pelo Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá tiveram alta de 12% de janeiro a setembro, em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram exportadas 12,8 milhões de toneladas de soja, farelo de soja, trigo e milho. Em 2011, as exportações no período somaram 11,4 milhões de toneladas.

O destaque entre os granéis foi o milho, que apresentou alta de 41% nas exportações, fechando setembro com 2 milhões de toneladas movimentadas. As exportações de soja registraram aumento de 10% em comparação com 2011, totalizando 6,3 milhões de toneladas.

O volume exportado de farelo de soja, até setembro, foi 15% maior, somando 4 milhões de toneladas movimentadas. Já as exportações de trigo apresentaram baixa no período, totalizando pouco mais de 400 mil toneladas, 22% inferior ao registrado em 2011.

“Este ano pudemos perceber mais claramente que a eficiência no campo tem diminuído as demarcações entre safras. A movimentação de granéis foi alta durante todo o ano e estamos trabalhando conforme a determinação do governador Beto Richa, de oferecer a melhor estrutura para que o agricultor possa escoar a sua produção”, afirmou o superintendente dos Portos de Paranaguá e Antonina, Luiz Henrique Dividino.

Corredor

O Porto de Paranaguá dispõe de um sistema especial para as exportações de granéis. O corredor de exportação, construído na década de 70 e único no Brasil, é composto por conglomerado de silos verticais e horizontais, públicos e privados interligados a um sistema de correias transportadoras de uso comum, que abastecem os navios em três berços distintos de atracação.

Atualmente, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) trabalha na licitação para a primeira etapa do repotenciamento do corredor de exportação do Porto, que vai permitir um ganho de 30% na produtividade dos embarques.