Apesar das fortes chuvas que estão dificultando a colheita da soja no Paraná, o transporte rodoviário dos grãos deve ser intenso nos meses de março e abril. Considerado um mês de tempo bom para a colheita, março deve ser o mês em que a produção vai quase que imediatamente para as estradas, em direção aos portos de Paranaguá, no litoral do Paraná, e São Francisco do Sul e Itajaí, em Santa Catarina.

Segundo a concessionária RodoNorte, que administra a principal via para escoamento da safra no estado – as BRs 376 e 277, entre Apucarana e Curitiba –, o fluxo do tráfego comercial aumenta em média 20% em março, se comparado com a média de meses de entressafra, como novembro e dezembro. Somado ao bom momento vivido pela economia, o fluxo deve ser ainda 8% superior ao do ano anterior. “Pelas informações recebidas, o boom da safra será logo após o carnaval, com a intensificação da colheita no Mato Grosso e Paraná, o que deve gerar um movimento bastante concentrado”, indica o coordenador de atendimento da concessionária, Mauro Bertelli.

Por enquanto, a colheita da soja enfrenta problemas no Paraná. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado a Secretaria de Agricultura do Paraná, apenas 1% dos 4,5 milhões de hectares de soja foram colhidos. No entanto, 26% das lavouras já estão em fase de maturação, ou seja, são 1,2 milhão de hectares prontos para serem colhidos.