O Brasil já tem condições de fazer a previsão do tempo usando equipamento fabricado e desenvolvido com tecnologia nacional. Uma joint-venture entre as empresas Atech Tecnologias Críticas e a Omnisys – duas empresas brasileiras – possibilitou a criação da Atmos, que instalou o primeiro radar meteorológico denominado Doppler, na cidade de Mogi das Cruzes, a 40 quilômetros de São Paulo (capital).

Com a vantagem de se ter um custo reduzido que o similar importado e ser o mais moderno do País, esse projeto recebeu investimento na ordem de US$ 1 milhão. Em atividade na área rural de Mogi, a primeira unidade do radar Doppler da Atmos tem alcance de 400 quilômetros.

O equipamento de última geração identifica, em tempo real, as condições meteorológicas de toda porção leste e sul do Estado de São Paulo, sul do Estado do Rio de Janeiro, parte do sul do Estado de Minas Gerais e parte do Estado do Paraná, incluindo todo o litoral paranaense.

A Atmos foi criada em julho de 2004 e fez uso do conhecimento tecnológico acumulado por meio de programas estratégicos como o Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia). A Atech foi a principal colaboradora brasileira do Sivam no segmento de tecnologia e integração de sistemas. ?Usamos uma tecnologia absorvida e recriada de outros programas do governo brasileiro?, destaca o diretor da Atmos, Fabio Haruo Fukuda.

Esse tipo de equipamento é usado atualmente em todo o mundo, com eficiência comprovada, nas áreas de meteorologia, agricultura, Defesa Civil e tráfego aéreo. Rastrear uma tempestade é um dos mais de 20 produtos que o primeiro Doppler brasileiro tem condições de fornecer ao usuário. No futuro, as imagens do radar estarão na internet em site que será criado pela Atmos. ?Será um instrumento didático para o leigo neste assunto?, observa Fukuda.

O Brasil possui 24 radares Doppler e a maior parte deles (10) está no Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia)/Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia) e outros seis no Estado de São Paulo. Os Estados Unidos possuem cerca de 300 radares deste modelo e cerca da metade a serviço da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (Noaa).