O emprego na indústria cresceu 0,2% na passagem de fevereiro para março, na série livre de influências sazonais, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com março de 2012, no entanto, o emprego industrial caiu 0,6% em março deste ano. No acumulado de 2013, os postos de trabalho na indústria recuaram 1,00%. Enquanto, em 12 meses, o emprego industrial acumulou queda de 1,4%.

O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria caiu 0,5% de fevereiro para março, pelo indicador ajustado sazonalmente. No ano, a taxa acumulada é de 1,9% e, em 12 meses, de 3,7%. Em comparação a março de 2012, a folha de pagamento avançou 2,5%.

Foram registradas altas em dez dos 14 locais pesquisados, com destaque para São Paulo (3,2%), Rio de Janeiro (8,9%), Minas Gerais (2,2%), Rio Grande do Sul (2,4%), Região Norte e Centro-Oeste (2,2%) e Paraná (1,7%). Em contrapartida, as principais influências negativas partiram da região Nordeste (-1,7%) e também isoladamente de Pernambuco (-6,7%).

Ainda na comparação anual, o IBGE destacou que o valor da folha de pagamento real da indústria cresceu em 12 dos 18 setores investigados, com destaque para produtos químicos (7,7%), meios de transporte (3,7%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (7,4%), alimentos e bebidas (2,4%), papel e gráfica (6,1%), indústrias extrativas (2,7%), máquinas e equipamentos (1,3%) e produtos de metal (2,3%). Os principais impactos negativos foram observados em vestuário (-3,8%), metalurgia básica (-1,1%) e outros produtos da indústria de transformação (-1,6%).