O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, disse nesta quinta-feira que a economia do país está claramente começando a se recuperar e que o atual programa de flexibilização monetária do banco central é suficiente para alcançar a meta de inflação de 2% em dois anos.

“Claramente a economia do nosso país está começando a se recuperar moderadamente. Essa é uma conclusão direta que eu posso tirar ao olhar para vários indicadores econômicos”, disse Kuroda em uma coletiva de imprensa.

Entre as questões cruciais que podem afetar a recuperação das exportações do Japão, Kuroda disse: “A economia chinesa deve alcançar um crescimento econômico estável com base em uma robusta demanda doméstica”.

Mas ele acrescentou que o BoJ precisa manter um olhar atento sobre os acontecimentos na China uma vez que o país tem um grande impacto sobre a economia global.

“Temos de observar com cuidado o impacto da política monetária do Federal Reserve nos mercados financeiros nas economias emergentes”, disse ele.

No final da reunião de dois dias do comitê de política monetária, o banco central japonês manteve inalterada sua política monetária e se ateve à sua visão otimista sobre atingir a inflação de 2% em dois anos, refletindo a confiança no programa de flexibilização monetária, lançado em abril.

O banco central também usou a linguagem mais otimista em mais de dois anos na sua avaliação sobre a economia, dizendo que ela está começando a se “recuperar moderadamente”.

A decisão do banco central de elevar sua avaliação – pelo sétimo mês consecutivo – era amplamente esperada.

Haruhiko Kuroda também disse nesta quinta-feira que alguns membros do comitê de política monetária do BoJ mantiveram uma certa cautela sobre as perspectivas de uma recuperação, mas que eles ainda concordaram com a declaração publicada hoje.

“Alguns membros que tinham uma visão cautelosa sobre os preços em abril mantiveram sua visão cautelosa sobre as perspectivas para os preços na reunião de hoje”, disse Kuroda.

“Eu não posso dizer quantos eram e se o número de membros do comitê que são cautelosos subiu ou caiu.”

A ata da reunião de 26 de abril, quando os nove membros do comitê discutiram o crescimento de médio prazo e as previsões de inflação assim como a análise de risco, mostrou que “alguns membros” disseram que há um risco de que o BoJ pode não atingir a meta de 2% de estabilidade de preços em cerca de dois anos.

Os membros eram Takehiro Sato e Takahide Kiuchi, antigos economistas do setor privado, que votaram contra a adoção da nova meta da estabilidade de preços de 2% do banco na reunião de 21 e 22 de janeiro. Fonte: Dow Jones Newswires e Market News International. (Lucas Hirata – lucas.hirata@estadao.com)