O volume de empréstimos para aquisição e construção de imóveis deve ficar entre R$ 85 bilhões e R$ 90 bilhões, tanto em 2015 quanto em 2016, de acordo com projeções da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), apresentadas pelo ex-presidente da entidade Octavio de Lazari Junior. Segundo o executivo, o cenário do ano que vem é parecido com o de 2015. No entanto, a expectativa é de que a captação líquida de recursos no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) seja melhor em 2016.

Em conversa com jornalistas, após evento do Secovi-SP e do Fiabci-Brasil, o executivo disse que a captação líquida do SBPE em 2015 deve ficar negativa em cerca de R$ 60 bilhões. Entre janeiro e outubro do ano, o resultado negativo foi de R$ 54 bilhões. “No final do ano, quando entra o 13º salário, tem uma recuperação nos depósitos”, afirmou. “O ano de 2015 começou obscuro e está terminando muito ruim. Já 2016 começa muito ruim, com uma esperança de melhora”, acrescentou.

O executivo alertou, porém, que o volume de crédito no futuro pode enfrentar risco de queda se o mercado imobiliário continuar sem lançamentos. “Se no ano que vem, o mercado não se recuperar e começar a lançar de novo, ou seja, se passar dois anos sem lançamentos, haverá menos imóveis para financiar em 2018 e 2019. Isso é um problema”, disse o executivo. Vale ressaltar que o financiamento imobiliário normalmente é contraído na entrega da unidade, cerca de 36 meses após o início do projeto.

Essa restrição nos lançamentos ainda não tem impacto em 2016, explicou o executivo, uma vez que hoje ainda estão sendo entregues unidades iniciadas a partir de 2013, quando muitas empresas estavam com um ritmo elevado de novos lançamentos.