O deputado federal Ney Leprevost (PSD) retirou a sua pré-candidatura à prefeitura de Curitiba nas eleições de novembro. A informação foi divulgada por ele em suas redes sociais, por volta das 22 horas deste sábado (5). Em uma nota pública, Ney afirma que “o estado de anormalidade está demorando mais tempo do que imaginávamos para passar” e que as eleições serão “atípicas” e “pouco democráticas”.

LEIA TAMBÉM – Quem são os pré-candidatos à Prefeitura de Curitiba nas eleições de 2020?

“Devido à Covid-19, é impossível prever o percentual de eleitores que irão às urnas. Certamente não acontecerão reuniões públicas, caminhadas nos bairros, visitas as casas das pessoas, jantares por adesão… Não será sequer possível um aperto de mãos entre o eleitor e seu candidato para selarem, olhos nos olhos, a sua aliança”, escreveu ele.

A desistência já era esperada. Na sexta-feira (4), o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), pediu publicamente para que Ney desistisse da corrida eleitoral. A ideia é que o PSD feche uma aliança com o atual prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), pré-candidato à reeleição. Sem apoio de Ratinho Junior para continuar na disputa, Ney agora confirma a desistência.

Na nota pública, Ney não tratou da aliança entre PSD e DEM e disse que, em função da eleição atípica, avaliava ter “pouquíssimas chances” nas urnas. “Finalmente enxergo que, nesta disputa diferente, alguém com meu caráter tem pouquíssimas chances. Não me sinto à vontade para colocar meus eleitores, amigos e familiares em uma aventura. Esta campanha majoritária curta, restritiva e focada só em redes sociais, favorece apenas os que tem grande poder econômico para patrocinar gigantescos impulsionamentos e os que tem a seu serviço verdadeiras quadrilhas digitais”, continuou ele.

Ney se colocava como pré-candidato natural ao posto, respaldado pelo desempenho da última eleição municipal, em 2016, quando chegou a ir para o segundo turno com Greca, e perdeu por uma diferença de 56.421 votos. Na sexta-feira (4), uma pesquisa eleitoral divulgada pela Paraná Pesquisas apontava Greca em primeiro lugar, com 40% das intenções de voto na estimulada, seguido por Ney, com 10,9%. Em um cenário sem Ney, Greca sobe para 43,6% e Gustavo Fruet, do PDT, figura em segundo lugar, com 12,1% das intenções de voto. Na sequência, surge o pré-candidato pelo PSL, Delegado Francischini, com 10,1%.

Foram entrevistados 800 eleitores, no período de 30 de agosto a 3 de setembro. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro de aproximadamente 3,5%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número PR-04183/2020.