A corrida pelo Palácio 29 de Março já está engatada em segunda marcha e aos poucos começa a sair dos bastidores. Os partidos já estão se articulando, muitos pegando os resultados das eleições anteriores como base de desempenho para a escolha dos candidatos. O atual prefeito Rafael Greca ainda não confirmou oficialmente se tentará a reeleição.

Veja quem são os prováveis candidatos à prefeitura de Curitiba em 2020:

Greca

Aniele Nascimento / Gazeta do Povo
Aniele Nascimento / Gazeta do Povo

Também é tida como certa a participação do atual prefeito Rafael Greca (DEM) na disputa. Embora ele não tenha oficializado o interesse, já afirmou à Gazeta do Povo que permanecer no cargo seria “um estado de graça”. Greca terá provável apoio do PSDB e chapa semelhante à vitoriosa em 2016, com Eduardo Pimentel se mantendo seu vice. A seu favor, Greca tem o fato óbvio de já estar no cargo. Dessa forma, tem feito uma gestão ativa, na visão de analistas, com obras que impactam mais diretamente o eleitorado: pavimentações, por exemplo.

Francischini

Aniele Nascimento / Gazeta do Povo
Aniele Nascimento / Gazeta do Povo

No dia 17 de agosto, o deputado estadual Delegado Francischini (PSL) oficializou sua pré-candidatura à prefeitura, em um evento nacional de filiação do partido, destacando a votação alcançada no último pleito: cerca de 427 mil votos, sendo 140 mil deles em Curitiba. O agora pré-candidato afirmou que o foco é “cuidar das pessoas”, dando atenção a questões como segurança e saúde.

+ Leia também: Site do PSDB é hackeado e exibe foto de Lula e Dilma

A pré-candidatura de Francischini não vem como uma surpresa, já que ele havia afirmado em diversas oportunidades que iria concorrer. O deputado pode surfar na atual tendência conservadora do eleitorado, que levou Jair Bolsonaro, de seu partido, à Presidência da República, além de credenciar diversos deputados pelo país.

Seu sucesso dependerá em parte da manutenção dessa onda e do fortalecimento de seu PSL. Joga contra Francischini a falta de apoios, já que aliados que poderiam ser de peso parecem propensos a endossar outras campanhas: o PSDB segue com Greca e o grupo de Ratinho, a princípio, com Leprevost.

Leprevost

Antônio More / Arquivo / Gazeta do Povo
Antônio More / Arquivo / Gazeta do Povo

Outro provável concorrente é Ney Leprevost (PSD), um nome forte ligado ao grupo do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) e que disputou o segundo turno com Greca em 2016. Leprevost ficou no quase, mas viu seu nome ser fortalecido após perder por uma margem estreita de votos. Ele não confirma, mas está longe de descartar a candidatura.

+ Leia também: Dallagnol rebate acusação contra a Lava Jato sobre acesso de dados da Receita

Leprevost, secretário de Ratinho Junior, que é de seu partido, pode ter como vantagem o apoio do governador. É uma popularidade de peso, já que Ratinho Junior foi eleito em primeiro turno na eleição de 2018. Não só isso. Em 2016, Leprevost bateu Fruet e chegou ao segundo turno com Greca, perdendo por uma margem muito apertada: 461 mil contra 405 mil. “É inegável que alguém que deixa de ganhar a eleição [de 2016] por uma margem tão pequena fique com uma certa vontade. E não só uma vontade minha. As pessoas na rua vêm me abordar e falam: ‘próximo prefeito’”.

Fruet

Jonathan Campos / Gazeta do Povo
Jonathan Campos / Gazeta do Povo

Há ainda o deputado federal Gustavo Fruet (PDT), que, em maio, deu mais um passo no sentido de oficializar seu nome como um dos postulantes à prefeitura de Curitiba. Na cerimônia de troca de comando do partido na capital, Fruet foi reconduzido à diretoria e aumentaram os rumores de que irá disputar novamente o Executivo municipal.

Apesar disso, o deputado não decreta seu nome como representante da legenda. “O que posso dizer é que o PDT terá candidatura própria em 2020 e trabalharemos para ter candidatura própria em 2022 [na eleição para o governo]”, disse à Gazeta do Povo Fruet, que já comandou a prefeitura da capital entre 2013 e 2016. O pedetista cita também o deputado estadual Goura como possível candidato da legenda. “[Além dos dois] Tem várias opções. Mas o importanteé reafirmar a candidatura própria [do partido] e, da minha parte, em chapa pura”, adianta.

Caso confirme sua intenção de concorrer à prefeitura, Fruet deverá ser uma das principais forças de oposição à gestão de Rafael Greca. Na bagagem, Fruet tem a experiência de já ter sido prefeito, além de um eleitorado fiel que o reconduziu à Câmara dos Deputados em 2018. Precisará, porém, melhorar sua performance de votos em eleições majoritárias – em 2016, na tentativa de se reeleger prefeito, ficou de fora do segundo turno e assistiu a decisão ficar entre Greca e Leprevost.

PT

Albari Rosa / Gazeta do Povo
Albari Rosa / Gazeta do Povo

Embora não tenha definido um representante, o PT também deverá ter um nome próprio na disputa. Dr. Rosinha, diretor estadual do partido, afirma que a escolha levará ainda alguns meses, mas cita as personalidades mais prováveis da sigla. “O debate no PT está bastante incipiente ainda. Estamos em um debate de construção da nova direção. Mas temos alguns nomes que são colocados. O Tadeu Veneri, que foi nosso último indicado, e a Mirian Gonçalves, que foi nossa vice-prefeita [na gestão de Fruet]”, diz.

O próprio Dr. Rosinha é uma possibilidade. “Alguns falam em meu nome, mas a prioridade são essas duas pessoas”, diz. Na última eleição, Mirian concorreu ao Senado, fazendo pouco menos de 600 mil votos (não se elegeu). Veneri conquistou uma vaga na Assembleia Legislativa com 69 mil votos.

João Arruda

Jonathan Campos / Gazeta do Povo
Jonathan Campos / Gazeta do Povo

À reportagem, João Arruda (MDB) confirmou que entrará na corrida. Arruda é ex-deputado e foi candidato ao governo em 2018, terminando a disputa na terceira colocação. Candidato ao governo do Paraná em 2018, Arruda não ameaçou a eleição de Ratinho Junior, que venceu ainda no primeiro turno. No entanto, tornou-se um nome mais conhecido em todo o estado — foi de 5% nas intenções de voto nas primeiras pesquisas para 13% no resultado consolidado.

Sua candidatura à prefeitura, porém, pode disputar uma faixa de oposição na qual corre também o ex-prefeito Gustavo Fruet. Sobrinho do ex-governador e ex-senador Roberto Requião, Arruda afirma que o peso do tio, de eleitorado consistente no estado, não deve ter interferência em sua trajetória.

Zé Boni

Reprodução / Facebook
Reprodução / Facebook

Quem também já tem nome confirmado na disputa é Zé Boni (PTC). Paranaense de Loanda, Boni foi candidato ao Senado em 2018 e fez pouco mais de 264 mil votos (2,61% dos válidos) — 33 mil deles na capital. Será a primeira disputa do candidato na cidade.

Partido Novo

Da mesma forma, o partido Novo também se movimenta para escolher seu candidato e já realizou uma convenção na capital paranaense. O Novo, inclusive, contratou uma consultoria, a Exec, responsável pelo recrutamento de executivos de alto escalão para empresas, para selecionar potenciais candidatos para disputar o pleito. O objetivo é atrair empresários ou executivos com capacidade de gestão para disputar a vaga, no melhor estilo headhunter.

Outros nomes

Felipe Rosa / Tribuna do Paraná
Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Por outro lado, nomes como o do ex-prefeito Luciano Ducci (PSB), do deputado federal Paulo Martins (PSL) e da deputada estadual Maria Victoria (PP) não são descartados do páreo, mas com menor probabilidade de concorrerem.

A última pesquisa de intenção de voto

Fruet, Greca, Francischini e Leprevost apareceram tecnicamente empatados em um levantamento do Instituto Paraná Pesquisas em março. Na pesquisa estimulada, em que o entrevistador cita nomes possíveis, Greça ficou com 19,4% das intenções de voto; Fruet, com 15,7%; Leprevost, com 14,8%; e Francischini, com 14,3%.

A pesquisa foi feita com 904 eleitores curitibanos entre os dias 16 e 20 de março. A margem de erro é de 3,5 pontos porcentuais.

Clássico em Curitiba, Cine Morgenau completa 100 anos com programação especial!