Nesta quinta-feira, 29 de setembro, mais de dois milhões de metalúrgicos de todo o País cruzarão os braços para participar da paralisação nacional contra o corte de direitos e para exigir do governo ações efetivas para o reaquecimento da economia.

A mobilização faz parte da campanha nacional “Cortar Direitos Não Gera Emprego! Retomada da Economia Já!”. O “Dia de Unidade de Ação Metalúrgica em Defesa dos Direitos e da Aposentadoria”,  é organizada pelas Confederações, Federações e mais de  500 Sindicatos de metalúrgicos do Brasil, ligados à Força Sindical, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas).

Em Curitiba, os protestos acontecerão nas principais empresas da categoria, a partir das 6h, com participação efetiva de mais de 30 mil trabalhadores da capital e região metropolitana, sob a liderança do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, filiado à Força Sindical.

“O que tem travado a economia são os juros altos, o excesso de impostos e a falta de crédito. É isso que tem penalizado a indústria, o comércio e toda a cadeia econômica. Mas ao invés de atacar esses problemas, o governo prefere propor diminuição de direitos, congelamento de salários, cortes na saúde e educação, jogando a conta da crise nas costas da população que já paga um preço alto com o desemprego e o achatamento da renda. É por isso que os metalúrgicos vão parar geral. Cortar direitos não tem efeito nenhum sobre a economia e geração de emprego”, diz o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka.