O Mercado Municipal de Curitiba terá um banco de alimentos para doar frutas e verduras que não servem para o comércio. A iniciativa é da Associação dos Comerciantes do Mercado Municipal (Ascesme) em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab) e outras entidades.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Os comerciantes farão a coleta de produtos que não foram vendidos. Estes alimentos serão encaminhados a 150 entidades beneficentes cadastradas na prefeitura. A previsão é de que o Banco de Alimentos passe a funcionar no segundo semestre de 2019, quando deverão ser doadas 15 toneladas de alimentos por mês, beneficiando 15 mil pessoas carentes.

“Nossa intenção é de que os produtos que ainda são próprios para consumo não sejam destinados ao lixo”, aponta o presidente da Ascesme, Mario Shiguemitu.

Este será o primeiro banco de alimentos implantado dentro de um marcado popular no Brasil. O Banco de Alimento vai ocupar um imóvel de 120 metros quadrados na Rua da Paz, dentro complexo do Mercado Municipal. Neste espaço, os alimentos que serão doados serão separados e higienizados.

O secretário municipal de Agricultura e Abastecimento, Luiz Gusi, enfatiza a importância de não descartar produtos que ainda podem ser consumidos. “Precisamos entender que alimento não é lixo. Não podemos jogar comida fora enquanto tanta gente passa fome”, reforça.

Além da Asceme e prefeitura, outras entidades e programas também participarão do Banco de Alimentos do Mercado Municipal. Entre elas, o programa Mesa Brasil do Sesc, que destina alimentos que não são vendidos nos Sacolões da Família a instituições filantrópicas, e também universidades, responsáveis pela capacitação da equipe que fará a coleta e seleção dos alimentos do banco.

Bairros nobres de Curitiba podem ficar sem água nesta terça; veja detalhes!