Os protestos realizados por causa da morte brutal de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, espancado na noite de quinta-feira (19), em Porto Alegre, continuaram neste sábado (21). Um grupo de manifestantes segue em protesto em Curitiba no Carrefour no bairro Parolin.

+ Veja essaCuritiba preta: a força dos movimentos antirracistas na capital mais negra do Sul

Os manifestantes ocuparam parte do estacionamento do estabelecimento, picharam o portão e colocaram carrinhos e seguiram para a Rua Marechal Floriado Peixoto, que foi bloqueada. A polícia Militar acompanhou o protesto.

Os dois seguranças estão presos na capital gaúcha. Em nota, o Carrefour disse que iniciou uma rigorosa investigação interna para que o responsáveis pelo crime sejam punidos.

João Alberto morreu às vésperas do Dia da Consciência Negra, comemorado nesta sexta-feira (20) em referência à morte de Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares, localizado entre Alagoas e Pernambuco.

O caso

A polícia de Porto Alegre (RS) investiga a morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, após espancamento por dois seguranças de uma loja do supermercado Carrefour localizada no bairro Passo d´Areia, na zona norte da cidade.

Vídeos que mostram o espancamento em frente à loja e a tentativa de socorristas de salvarem o homem, conhecido como Beto, circulam nas redes sociais desde a noite desta quinta-feira (19) e provocam a mobilização de ativistas contra o racismo.