A Políciai Civil vai analisar, na próxima semana, se indicia o motorista de ônibus Dionísio Soares dos Santos por homicídio culposo ou lesão corporal culposa. Na quarta-feira da semana passada, ele passou com o rodado do coletivo por cima das pernas de Olívia de Oliveira Luz, 73 anos, que sofreu uma queda desembarcando do veículo e não foi vista pelo motorista.

Dionísio alegou que o ônibus estava lotado e os vidros embaçados. Por isto, não enxergou a saída da idosa. No dia do acidente, Olívia foi atendida pelo Siate e levada ao Hospital do Trabalhador, onde morreu na noite da última quarta-feira.

No entanto, o delegado Rodrigo Brown, da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran), aguarda para a semana que vem a ficha hospitalar dela, para comprovar se morreu em decorrência do acidente, ou se foi por problemas de saúde que já tinha.

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) já adiantou que a mulher tinha doenças sérias, como hipertensão, diabetes, problemas nos rins e obesidade mórbida e que estas enfermidades é que causaram a morte. Diante disto, o delegado poderá indiciar o motorista por lesão corporal culposa. Mas caso se comprove que foi o acidente a causa do óbito, o indiciamento irá mudar para homicídio culposo.