Com a liberação do funcionamento das academias, após novo decreto da prefeitura de Curitiba, alguns espaços esportivos estão, nesta quarta-feira (22), se adaptando às novas medidas de proteção contra o novo coronavírus. A reabertura do setor que ficou parado desde março é a esperança dos donos e alegria de funcionários e alunos. As academias só não podem abrir aos domingos pela nova determinação.

Para ter a possibilidade de retorno, as academias estão possibilitando aos alunos uma forma adequada para a prática esportiva aliada à segurança. O protocolo é um dos mais rígidos e seguiu as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde. Também foi tomado como base o histórico de regiões onde o pico da pandemia já passou e o processo de reabertura das academias já está sendo realizado, como na China e outros locais da Europa.

Entre as medidas, disponibilização de álcool gel 70% para uso por clientes e colaboradores em todas as áreas das academias, borrifadores em pontos estratégicos das áreas de musculação e ginástica, uso obrigatório de máscara, intensificação da limpeza em todos os espaços, inclusive nos vestiários, orientação aos alunos para realizar a higienização dos equipamentos como colchonetes, puxadores, elásticos, halteres, barras e equipamentos em geral.

A decisão da reabertura ocorreu um dia depois de empresários e professores de educação física se amarrarem em frente à prefeitura pedindo soluções. Enquanto estavam proibidas de funcionar, uma academia chegou a ser multada por estar realizando reparos, o que deixou a categoria ainda mais descontente com as medida.

+Leia mais! Por que os homens emagrecem menos que as mulheres?

Fernando de Abreu da Silvam 32 anos, é o proprietário da Power Fit Academia, no bairro Boa Vista. No começo do ano, estava com 600 alunos ativos e com a chegada da pandemia, os clientes abandonaram os exercícios. Atualmente, são 150 inscritos no sistema, mas que aos poucos devem voltar ao espaço. “Espero que agora volte em definitivo, pois foi um período muito difícil. Fiz empréstimo e estou no limite. Vi até que teve alguns concorrentes que fecharam as portas. Hoje, tenho quatro funcionários, mas esperávamos este retorno. A academia é espaço para a saúde das pessoas e muitos sentem falta”, comentou Fernando que reabriu hoje utilizando o sistema de senhas para não ter aglomeração dentro da academia.

+Viu essa? Cresce a busca por cadeiras de escritório. Tem modelo custando R$ 47 mil

Adaptações nas academias

Nem todas as academias estão funcionando, pois algumas estão modificando estruturas para a adaptação as novas medidas do decreto.  Na Academia World Gym, no Bom Retiro, a volta está marcada para esta quinta-feira (23) e a tecnologia será uma aliada para evitar a contaminação. O aluno vai precisar entrar no aplicativo da academia para definir o horário para treinar. Matheus José de Paula, 25 anos, é recepcionista da academia e cursa a faculdade de Educação Física. Atento à chegada dos alunos no espaço, ele acredita que a adaptação será rápida e o medo de perder o emprego em plena pandemia está indo embora. “Comecei como estagiário aqui e hoje tenho carteira de trabalho. Posso afirmar que estamos dentro de todos os procedimentos com distanciamento de 1,5 metro, demarcação no chão e higienização completa por aqui”, ressaltou Matheus.

Ansiedade na volta

Os benefícios para quem pratica esporte é gigante e para quem está acostumado a frequentar academia, o fechamento deste serviço é complicado. Emili Barros, 30 anos, consultora digital, pratica exercícios em academias faz dez anos. Com as portas fechadas, investiu na compra de peso, corda, elástico e até um suporte para bicicleta. No entanto, não ficou tão contente com o resultado e espera retornar o quanto antes para a academia. “Não é a mesma coisa fazer o exercício dentro de casa e por isto, fiquei muito feliz por poder voltar. Tenho amigos que treinam direto e outros que dependem financeiramente do negócio”, disse Emili.

O movimento nas academias neste primeiro momento não deve ser alto. Muitas pessoas ainda sentem o reflexo financeiro da pandemia com a perda do emprego ou redução salarial. Além disto, existe o receio da doença e a propagação para dentro de casa. “Ainda não vou voltar, pois tenho em casa crianças e idoso. Tenho muita vontade, mas vale a prevenção neste momento”, completou a consultora digital. 

Alerta

Outra situação muito importante e que serve de alerta por parte das autoridades de saúde é quanto aos sintomas. Caso a pessoa tenha algum tipo de problema clínico, fique em casa ou procure atendimento médico. O pedido foi realizado pela secretária municipal de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. “Faço um apelo para as pessoas que se estão com algum problema respiratório que não vá para academia ou qualquer lugar. Contamos com a colaboração da sociedade curitibana”, afirmou a secretária.