Brasília (AE) – Levantamento parcial da CPI dos Correios sobre as quebras de sigilos telefônicos dos investigados no escândalo do mensalão mostra as conexões do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares por todo o governo Lula. Os números esmiuçados pela comissão revelam que ele ligou pelo menos 119 vezes para o Palácio do Planalto desde o começo do governo Lula. Desse total, 59 telefonemas foram para a Casa Civil, quando José Dirceu (PT-SP) era o titular da pasta.

O relatório parcial registra apenas ligações entre telefones fixos dos investigados e órgãos públicos, num universo de 517 linhas investigadas. O levantamento inclui telefonemas de José Dirceu, do deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), das agências de publicidade de Marcos Valério Fernandes de Souza e do ex-presidente do PT José Genoino e de Silvio Pereira, ex-secretário-geral do partido.

A lista da CPI indica que uma das bases de operação de Delúbio ficava em Goiânia, no escritório da deputada federal Neide Aparecida, do PT. Dali o ex-tesoureiro disparava suas ligações para o Planalto e para quase todos os Ministérios.

Os telefonemas de Delúbio para a Presidência começaram a 4 de dezembro de 2002, na transição do governo Fernando Henrique Cardoso para o de Lula intensificaram-se a partir de 2003 e atingiram o auge no período eleitoral de 2004. A maioria foi para a ex-assessora da Casa Civil Sandra Cabral, uma das responsáveis pela centralização das nomeações políticas no governo: foram pelo menos 20 telefonemas para o seu ramal (1942). Outros 39 foram para outros números da Casa Civil.

Duas dessas ligações de Delúbio chamaram a atenção dos integrantes da CPI. Aconteceram no dia 19 de outubro de 2004, mesma data na qual representantes da Portugal Telecom estiveram com o presidente Lula. Uma delas foi para a Casa Civil e a outra para a central do Palácio do Planalto. Segundo o deputado Roberto Jefferson, Dirceu teria intermediado a audiência para que a empresa desse dinheiro aos caixas do PT e do PTB, em troca de uma transferência milionária do IRB para o Banco Espírito Santo, que é do grupo.

Delúbio também circulava por outros gabinetes da Esplanada: o levantamento da CPI revela que quase todos os ministérios receberam ligações dele. Dos Correios ele recebeu pelo menos 139 ligações entre 17 de junho de 2003 e 8 de julho deste ano. O levantamento registra ainda outras 12 ligações das empresas de Marcos Valério para a vice-presidência. No total, foram 284 telefonemas das agências de Marcos Valério para a Presidência da República, mas quase todos foram para a Secretaria de Comunicação.