A construção das plataformas P-51 e P-52, encomendadas pela Petrobras, envolve investimentos de US$ 1,84 bilhão e gera cerca de 20 mil empregos diretos e diretos. O canteiro de obras do estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis, no litoral sul do Rio, onde as unidades estão sendo construídas, será visitado hoje às 10 horas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Quando entrarem em operação, as novas plataformas acrescentarão à produção nacional cerca de 360 mil barris de petróleo por dia, contribuindo para a garantia da auto-suficiência nacional. As duas unidades serão instaladas na Bacia de Campos, a maior província petrolífera do país, localizada no norte fluminense e que hoje já responde por mais de 80% de toda a produção nacional de óleo.

Do tipo semi-submersíveis, as plataformas vão operar em águas profundas. A P-51, que está sendo construída ao custo de US$ 845 milhões e gera 2.500 empregos diretos e 7.500 indiretos, irá operar no Campo de Marlim Sul, terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia, comprimindo 6 milhões de metros cúbicos de gás e injetando 280 mil barris de água por dia.  A entrada em operação está prevista para fevereiro de 2008.

A P-52, cujos investimentos totalizam US$ 1 bilhão, entrará em produção em fevereiro do ano que vem.  A unidade será instalada no Campo de Roncador, terá a mesma capacidade da P-51 e gera o mesmo número de empregos diretos e indiretos.

De acordo com a Petrobras, a construção da P-52 constitui um marco para o país, na medida em que deixa claro o compromisso da empresa com o aumento da nacionalização das obras contratadas.