Rio de Janeiro – A Caixa Econômica Federal considera que 2006 foi o melhor ano da sua história em termos de  financiamento imobiliário, segundo afirmou nesta terça-feira (19) o vice-presidente da Caixa, Fernando Nogueira, durante encontro com jornalistas no Rio de Janeiro.

?Nós estamos culminando o ano com R$ 14 bilhões concedidos no crédito habitacional, muito acima do orçamento de R$ 10,3 bilhões?, disse Nogueira. Ele  explicou que, no início de 2006, esse montante era considerado um desafio, uma vez que, no ano passado, foram concedidos R$ 9 bilhões para o crédito imobiliário. A meta, porém, foi superada ainda no mês de setembro, informou o executivo.

Depois dos feirões de imóveis, iniciados entre maio e junho deste ano, a Caixa tinha concedido mais crédito do que o efetivado em 2003 e 2004, revelou o vice-presidente. ?Em setembro, nós superamos o orçamento e, desde setembro, até agora, estamos com recursos suplementares  de poupança, de subsídios do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). E boa parte do financiamento já tem prevista contratação no início do ano que vem.?

Por isso, a expectativa de Fernando Nogueira é de que, em 2007, o ritmo deverá continuar o mesmo. A expectativa, no mínimo, é repetir o patamar alcançado de R$ 14 bilhões. ?E, se possível, aumentar ainda mais, porque, desde a eleição, o governo está tomando medidas corretas nessa direção, dando total prioridade a habitação e saneamento, enfrentando o problema de capitalização da Caixa Econômica, para conceder mais financiamento ao setor público?, disse ele.

A Caixa pretende iniciar o novo ano com um orçamento semelhante ao de 2006, da ordem de R$ 10,3 bilhões. ?Mas a gente tem capacidade de fazer R$ 14 bilhões, porque acabamos de fazer?, argumentou. ?O entusiasmo, o ritmo de concessão e  os programas para o próximo ano são nesse sentido. Repete o orçamento de 2006. Vamos colocar em poupança R$ 4,2 bilhões em 2007, vamos realizar feirões da casa própria, que alavancam muito o ritmo de concessão, vamos ampliar parcerias com estados e municípios, vamos  melhorar processos e adequar produtos ao mercado. Tem uma série de medidas que a gente acha que é desse patamar para cima?, afirmou.

Fernando Nogueira disse que, somando os R$ 14 bilhões de créditos concedidos da Caixa este ano para habitação, mais R$ 9 bilhões dos outros bancos, o crédito total no país para o setor deve chegar, este ano, a algo em torno de  R$ 23 bilhões. ?O importante é que é um crédito de longo prazo. Você contrata e vai desembolsando de acordo com o ritmo da obra. Dá margem de você sustentar o crescimento para os próximos anos?, disse.

O vice-presidente disse ainda que a perspectiva também é favorável para 2007 pelo lado da demanda, porque, com a  esperada continuidade da queda dos juros, deve também aumentar o emprego e a segurança dos clientes para tomar crédito, incentivando, por exemplo, o uso do crédito imobiliário pré-fixado. ?Isso é muito bom para a concorrência bancária ,porque o cliente sabe perfeitamente qual vai ser o montante dentro do orçamento doméstico dele para habitação?, explicou.