Brasília – Severino Cavalcanti, que nega ter recebido propina, já mandou um recado à oposição: não deixará o seu cargo, segundo relato de José Carlos Aleluia (PFL-BA), líder da minoria na Câmara. Parlamentares de oposição disseram que sua estratégia é enfraquecer o presidente da Câmara Federal e fazer com que ele renuncie à presidência. Dessa forma, nova eleição para o comando da Câmara seria convocada.

Para os oposicionistas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva perderia um importante aliado político caso Severino tenha de se afastar. O objetivo deles é emplacar um de seus nomes para o lugar ocupado atualmente por Severino. O diretor da PF, Paulo Lacerda, designou o delegado Sérgio Menezes para investigar o que Severino classifica de tentativas de extorsão de Sebastião Buani, a qual estaria sendo submetido Severino.

A investigação foi solicitada pelo deputado ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Além de negar o recebimento de propina, Severino afirma que Buani vinha pressionando pela renovação do contrato de concessão do restaurante e para evitar a execução de uma dívida contratual dele com a Câmara. O primeiro passo, segundo a assessoria da PF, será ouvir Severino, mas seu depoimento ainda não foi marcado.

Senado

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) afirmou ontem na tribuna que já há elementos suficientes para que se ingresse no Conselho de Ética da Câmara com uma representação contra o presidente da instituição, Severino Cavalcanti (PP-PE). As decisões anunciadas neste domingo pelo presidente da Câmara foram criticadas pelo senador, para quem Severino Cavalcanti, que participa de sessão da Organização das Nações Unidas, "está vendendo uma péssima imagem do país". Para Alvaro Dias, "pelo conjunto da obra", Cavalcanti não só deve responder a processo de quebra de decoro parlamentar, como se afastar do cargo durante o julgamento.

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio Neto (AM), anunciou da tribuna que enviou ofício ao ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, requerendo que suspenda o direito de o presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PP-PE), usar a Ordem do Rio Branco, recebida por ele do presidente Lula.