Serão necessários pelo menos R$ 40 milhões para medidas emergenciais na Estação Antártica Comandante Ferraz, destruída por um incêndio no fim de semana passado, de acordo com estimativa feita por deputados e senadores em reunião da Frente Parlamentar Proantar (Programa Antártico Brasileiro) realizada hoje. Dois militares morreram no incêndio, que destruiu 70% da base – ambos foram homenageados no Rio de Janeiro em cerimônia com o vice-presidente Michel Temer.

De acordo com os parlamentares, o valor de R$ 40 milhões leva em conta apenas a remoção de entulhos do incêndio e a implantação de módulos para manter as pesquisas no local. Ou seja, a conta não incluiria a reconstrução da base. “Esse critério extraordinário corresponde apenas às medidas emergenciais para a manutenção mínima da pesquisa. Chegamos a esse valor por meio de conversas com especialistas”, disse a deputada Jô Moraes (PC do B-MG).

A ideia, diz a deputada, é o governo apresentar uma medida provisória que contemple esses recursos. Por enquanto, a matéria ainda não chegou à Secretaria de Relações Institucionais. Durante a reunião, os parlamentares também se comprometeram a apresentar emendas de R$ 500 mil ao Proantar. Sem ajuda internacional o Brasil não terá como remover até o final do ano os destroços da estação, já que em março começa o inverno na região.