São Paulo – Os pilotos que operam no Aeroporto Internacional de Congonhas decidiram não pousar mais no local quando chover na capital paulista, afirma o diretor de Segurança de Vôo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho. Segundo ele, a decisão foi tomada pelos pilotos já que, sob chuva, as condições da pista são consideradas "extremamente críticas".

"Sejamos conservadores e afastemos o risco a fim de poupar vidas", afirmou Camacho, em entrevista à Agência Brasil. Devido aos registros de derrapagens de aeronaves na pista principal de Congonhas, o local foi fechado para reformas pela Infraero.

A pista foi reaberta 18 dias antes do acidente, após uma reforma para melhorar o escoamento de água em dias de chuva. A obra foi liberada, no dia 29 de julho, mas sem ranhuras na pista para aumentar a saída de água. Segundo o superintendente de engenharia da Infraero, Armando Schneider Filho, as ranhuras só poderiam ser feitas mais de dois meses após a reinauguração, em setembro.