Oposição promete obstruir sessões

Brasília – Os líderes de partidos de oposição (PFL, PSDB e PPS) decidiram, em reunião realizada ontem, que suas bancadas vão obstruir os trabalhos do plenário e comissões da Câmara até que o Supremo Tribunal Federal decida sobre o pedido de liminar para a instalação da CPI do Apagão Aéreo. Os partidos entraram com mandado de segurança nesta tarde no STF para tentar garantir o funcionamento da CPI. ?Vamos usar de todas as prerrogativas regimentais para evitar que as matérias, no caso as medidas provisórias, possam ser apreciadas?, disse o líder do PSDB, Antonio Carlos Pannunzio (SP).

Ele afirmou que a obstrução atinge as matérias do governo e que, no caso de algumas matérias de interesse da sociedade, como as que tratam de segurança pública, os líderes poderão decidir pontualmente se votarão ou não.

Base reafirma decisão de barrar CPI

Brasília (AE) – Os líderes da base aliada ao governo na Câmara decidiram ontem manter a posição de não permitir a instalação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Apagão Aéreo, destinada a investigar as causas e as responsabilidades pelas falhas que paralisaram o sistema de transporte aéreo de passageiros do País. ?Vamos querer que a Casa legisle e não vire a delegacia que virou na Legislatura passada?, afirmou o líder do governo, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE).

O governo confia no apoio da maioria para poder superar a obstrução anunciada por partidos de oposição para impedir votações no plenário da casa enquanto não for instalada a CPI. A oposição aposta que dará trabalho ao governo, mas reconhece que não tem número suficiente para, de fato, obstruir as votações.

Segundo estimativa, do total de 513 deputados, só 140 se rebelam contra a tentativa de arquivar a CPI.

Voltar ao topo