Policiais da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense ouviram nesta segunda-feira o relato de mais uma suposta vítima de Sailson José das Graças, de 26 anos, preso na última terça-feira, 9, que afirmou à polícia ter assassinado 43 pessoas nos últimos nove anos.

Uma jovem de 23 anos afirmou em depoimento que foi atacada em outubro de 2013, quando dormia com o filho recém-nascido, e que foi salva pela avó, de 73 anos, que acordou com o choro do bebê, na época com quatro meses. De acordo com a Polícia Civil, há indícios da autoria de Sailson José das Graças em sete assassinatos. Outras quatro vítimas conseguiram sobreviver, segundo relatos feitos à polícia até a tarde de ontem, incluindo o da jovem de 23 anos.

A sobrevivente afirmou que um homem tentou asfixiá-la e que sofreu cortes no pescoço e no céu da boca. Segundo ela, o bebê também ficou ferido no pescoço. A jovem disse não ter visto o rosto do agressor na escuridão, mas Sailson teria identificado as vítimas por foto e confirmado a tentativa de homicídio contra mãe e filho, segundo investigadores. Na época do ataque, ela morava em uma casa em construção no bairro de Santa Rita, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A jovem disse que registrou o crime em outubro do ano passado, mas a investigação não avançou.