Das agências – O Ministério da Justiça e a polícia da Suíça enviaram ontem os documentos comprovando as movimentações financeiras de Paulo Maluf. No final do mês passado, o Tribunal Federal de Justiça da Suíça, em Lausanne, havia rejeitado o último recurso do ex-prefeito para evitar que extratos bancários de contas suas no Citibank de Genebra fossem entregues à Justiça brasileira.

O pedido da rogatória da Justiça brasileira havia sido feito há dois anos para a Suíça. Neste período, Maluf negou repetidamente que tivesse dinheiro na Suíça.

Os depósitos, no valor de US$ 200 milhões, teriam sido transferidos para a filial do Citibank na ilha de Jersey, em 1997, depois da divulgação de mudanças na lei de sigilo bancário na Suíça.

O valor elevado da soma levou o banco a comunicar a transação às autoridades suíças, que por sua vez entraram em contato com as autoridades brasileiras em 2001 para saber mais sobre o caso. A carta das autoridades suíças já seria uma evidência da existência das contas de Maluf, mas juridicamente não era suficiente para os investigadores no Brasil diante da negativa do ex-prefeito de que tivesse contas na Suíça.