O destino da baleia Minke, que encalhou na quarta-feira na praia de Piquiatuba, em Belterra, no oeste do Pará, virou um grande mistério para biólogos e funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O animal, de cinco metros e sete toneladas, desapareceu da praia depois de ser desencalhado e não foi mais encontrado, apesar das buscas feitas de helicóptero, lancha e barcos pequenos para localizá-lo.

O Ibama deu por encerrada a operação para encontrar a baleia. Para os biólogos, ela pode ter alcançado águas mais profundas do Rio Amazonas na tentativa de alcançar o Oceano Atlântico, a 800 km. Especialistas temem que ela não consiga sobreviver fora do habitat natural.

Embora raro, o fato de uma baleia sair do oceano e entrar nos rios amazônicos tem acontecido com freqüência cada vez maior. Em 2004, uma baleia foi localizada a 134 km de Belém, após entrar nas águas do Rio Muriá, em Curuçá, no nordeste paraense. Ela não resistiu e acabou morrendo, mesmo depois de ser desencalhada por ribeirinhos da região.