Uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a liberdade do goleiro Bruno, nesta sexta-feira. O habeas corpus é assinado pelo ministro Marco Aurélio de Mello. Ele pode ser solto a qualquer momento.

O goleiro Bruno foi condenado a 22 anos de prisão pelo assassinato de sua ex-namorada Eliza Samúdio, cujo corpo nunca foi encontrado. Bruno está preso desde 2010, ano em que aconteceu o crime.

Em julho do ano passado, Bruno Fernandes de Souza casou-se em cerimônia realizada dentro da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, com a dentista Ingrid Calheiros.

O crime

Bruno está na centro desde 2013, ano em que foi transferido da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, também na região metropolitana de Belo Horizonte.

O goleiro Bruno foi condenado em março de 2013 a 22 anos e três meses de reclusão pela morte e ocultação de cadáver de Eliza e cárcere privado de seu filho, que hoje vive com a avó materna. O crime contou com a participação de amigos do ex-goleiro, também condenados. Um dos cúmplices, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, teve liberação para o regime semiaberto estabelecida pela Justiça em 31 de maio.

Segundo Bruno, Macarrão lhe disse ter contratado o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, para matar Eliza. O ex-policial também cumpre pena de 22 anos de cadeia.

O goleiro Bruno foi condenado a 22 anos de prisão pelo assassinato de sua ex-namorada Eliza Samúdio.
O goleiro Bruno foi condenado a 22 anos de prisão pelo assassinato de sua ex-namorada Eliza Samúdio.