A diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu negou nesta quinta-feira (23), na CPI da Crise Aérea na Câmara, que tenha tentado beneficiar um suposto amigo na transferência do transporte de cargas dos aeroportos de Guarulhos, Congonhas (SP) e Viracopos (Campinas) para Ribeirão Preto. A diretora da Anac afirmou que o aeroporto de Ribeirão Preto nem possui terminal de cargas e que o empresário em questão não seria seu amigo.

No inicio de seu depoimento hoje na CPI, Denise disse se considerar injustiçada, e comparou o seu caso, aos dos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Alceni Guerra (DEM-PR), que foram acusados e inocentados posteriormente. A diretora também afirmou que as críticas relacionadas às fotos em que ela aparece fumando charuto são uma discriminação pelo fato de ela ser mulher.

Em depoimento, segundo a Agência Câmara, ela disse que reformulou o conceito de amizade, após ter enfrentando um tratamento contra câncer, e, hoje, seu círculo de amizades é restrito. A acusação contra a diretora foi feita pelo ex-presidente da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) José Carlos Pereira. Segundo ele, a intenção de Denise era beneficiar Carlos Ernesto Campos, dono da empresa Tead – Terminais Aduaneiros do Brasil.