O aposentado João Balo, de 75 anos, é um dos sobreviventes das chuvas que causaram destruição e mortes nos municípios do Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Neste sábado (29), juntamente com outros 100 desabrigados, João vive no abrigo montado na Escola Municipal Domingos Machado, em Ilhota.

Ainda sob o impacto da tragédia pela qual está passando, ele contou para a reportagem da Agência Brasil todo o drama vivido durante em tempo em que teve que abandonar a casa destruída pela enxurrada no Vale do Baú e se refugiar com outras pessoas num galpão de armazenar banana no alto do morro.

“No domingo (23), eu ouvi uma explosão, a terra tremeu. Como estava chovendo, eu achei que fosse raios e trovão (referência à explosão que destruiu o gasoduto na região). Então abandonamos nossas casas e fomos para o alto, para um galpão onde guarda banana”, disse.

João Balo revelou que o socorro demorou dois dias para resgatar todo mundo que se refugiou no galpão, e que nesse período temeu pela própria vida, por causa da chuva que destruía tudo no local. “Ficamos dois dias esperando pelo resgate. Passamos fome. E agora, o que vou fazer? A minha casa foi destruída, e a minha rua é um mar de lama”, lamentou.

João Balo disse que não sabe o que vai fazer. Ninguém ainda lhe informou se vai poder reconstruir sua casa no Vale do Baú, onde viveu durante muitos anos, e encerrou a entrevista indagando para a reportagem da Agência Brasil se iria ser indenizado com uma nova casa.