Valter Campanato / ABr
Valter Campanato / ABr

Bombeiros retiram partes da estrutura comprometida do prédio atingido pelo Airbus da TAM.

Brasília – Dez dias após o acidente com o vôo 3054 da TAM, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) ainda não descarta nenhuma hipótese. Falha no manete, cansaço e estresse do piloto, problemas na pista e a frenagem do avião são algumas delas. Falta de preparo da tripulação, condições de trabalho, meterologia e falha no controle de tráfego aéreo.

Todas essas possibilidades estão sendo analisadas. E o mais provável é que haja uma conjunção de alguns desses fatores, segundo o chefe do Cenipa, brigadeiro-do-ar Jorge Kersul Filho.

Os dados do computador de bordo e os diálogos da cabine com a torre de comando, que estavam na caixa-preta, chegaram ao Aeroporto Internacional de Guarulhos às 7 horas desta sexta-feira (27). As informações foram degravadas nos Estados Unidos. Ainda de manhã, o material foi entregue a Kersul, que disse ainda não ter analisado as informações.

Kersul apresentou um calendário dos próximos passos da investigação. Na segunda-feira (30), começa a análise dos dados da caixa-preta do avião, que será feita em Brasília. Até terça (31), vão ser atendidas as solicitações feitas por outros investigadores, como a Polícia Federal e a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Apagão Aéreo, na Câmara dos Deputados. Na quinta, o Cenipa vai encontrar-se com representantes da Airbus.